Como fazer em casa o kombucha, a bebida probiótica que cura o intestino e restaura as forças e a imunidade!

  

Imagine uma bebida capaz de regular as bactérias benéficas do intestino, aumentar a imunidade, combater alergias e desintoxicar o organismo.

Não ficaremos só no campo da imaginação porque ela existe.

O kombucha está presente em diversas culturas e tem mais de 2.000 anos de existência.

A bebida tem uma característica bem particular: é natural, espumante e refrescante.

O melhor de tudo é que podemos produzi-la em nossa casa.

Esta bebida fermentada é composta de probióticos, vitaminas e minerais essenciais.

Todo mundo sabe que os antibióticos – tão e irresponsavelmente consumidos – destroem tanto as bactérias boas e más do nosso intestino.

É aí que entram os alimentos probióticos, como o kombucha, que recuperam as boas bactérias e ajudam a refazer a flora intestinal.

A flora intestinal é muito importante para nosso corpo.

Com ela destruída, não dá para pensar em saúde.

É por isso que o kombucha é tão importante.

Mas tem mais.

O kombucha também:

– Ajuda a alcalinizar o corpo

 

– Auxilia na desintoxicação do fígado

– Melhora o metabolismo

– Ajuda a digestão

– Combate a prisão de ventre

– Aumenta a energia

– Evita o aparecimento de pedras nos rins

– É rico em antioxidantes

– Trata problemas na pele, como eczema

– Ajuda a cicatrizar úlceras

– Elimina infecções por fungos, como cândida

– Reduz os níveis de glicose

Certamente você quer aprender como se faz essa bebida tão formidável, não é verdade?

Aqui está:

 

kombucha

INGREDIENTES

3 litros de água

1 xícara de açúcar orgânico

5 sachês de chá (verde, preto ou branco orgânico)

 

Cultura iniciadora de kombucha, também conhecida como cultura-mãe ou scoby (você pode conseguir pela internet, inclusive em algumas páginas no Facebook)

250 mL de líquido iniciador (de outro kombucha) ou 3 colheres (sopa) de vinagre de maçã de boa qualidade

1 frasco de vidro

1 tecido de pano

1 liga elástica

MODO DE PREPARO

Lave as mãos muito bem com água quente.

Não é recomendado o uso de sabonete ou detergente, pois eles destroem as bactérias benéficas fornecidas pela cultura de kombucha.

 

Outra opção é usar vinagre comum ou de maçã para lavar tanto as mãos como os utensílios que serão usados.

Também se recomenda usar luvas que não sejam de látex, especialmente se for tocar a cultura diretamente.

Coloque a água para ferver no fogo alto.

Ferva, depois que entrar em ebulição, por cinco minutos, pois é importante que a água fique totalmente purificada.

Outra questão: você tem que usar água filtrada descorada, ou seja, livre de cloro.

Desligue o fogo e adicione os sacos de chá, deixando-os por 10 ou 20 minutos.

Feito isso, adicione o açúcar.

Quando o líquido esfriar completamente (atingir a temperatura de uns 25 graus), derrame o líquido no frasco de vidro e adicione os 250mL de líquido iniciador ou as três colheres de vinagre de maçã.

Mas antes esterilize bem o frasco de vidro com água quente.

Em seguida, suavemente coloque a cultura-mãe no chá, cubra o topo do vidro com um pano e prenda bem usando um elástico.

Deixe repousar durante sete dias.

Você deve colocar o vidro em um local quente, escuro e silencioso.

A temperatura deverá ficar em pelo menos 21 graus.

O ideal é uma temperatura em torno de 30 graus.

As temperaturas mais baixas farão a cultura se desenvolver devagar.

Neste caso, para aquecer, você pode envolver o vidro com um pano ou jornal.

Após esse tempo, prove o kombucha com uma colher esterilizada).

Se tiver muito amargo é porque ficou fermentando por muito tempo.

Se ficar muito doce, precisa ficar mais alguns dias fermentando.

Leve para a geladeira, mas antes retire 250mL para a próxima produção de kombucha.

Na hora de tomar, você pode espremer um limão na xícara.

Sobre a cultura-mãe ou scoby, vamos repetir: você pode consegui-la em fóruns na internet ou páginas e grupos no Facebook.

Se já tiver, ajude outras pessoas, oferecendo nos comentários desta matéria em nossa página no Facebook.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico