Jovem arrecada R$ 41 mil após pais cortarem faculdade por namoro com negro

   

A norte-americana Allie Dowdle, de 18 anos, lançou uma campanha chamada “Ensino da Allie – Diga não ao racismo” para arrecadar dinheiro após, segundo ela afirma, seus pais terem parado de bancar os gastos dela como punição pelo namoro com um rapaz negro.

 

Em um texto da campanha publicada no site Go Fund Me, Allie, que mora em Memphis (Tennessee), relata que o pai a proibiu de namorar Michael – segundo ela, por causa da cor da pele dele. 

 

Apesar disso, os dois jovens continuaram juntos em segredo. Meses depois, ela tentou apresentar o rapaz aos pais, que, dessa vez, responderam cortando todos os benefícios financeiros dela: carro, celular e os custos da faculdade.

 

“Como eu tenho 18 anos, meus pais decidiram não mais apoiar o meu futuro, e me privar de todos os meus recursos, incluindo minhas economias pessoais, meu carro, meu telefone e minha educação, me deixando sozinha para pagar pela faculdade “, escreve ela, acrescentando que conseguiu bolsa de estudo, mas ainda precisa de US$ 10 mil para pagar pelo primeiro ano.

 

Ela ainda disse que pretende arrumar um emprego, mas que agora não está conseguindo um trabalho porque seus pais também tiraram o carro dela.

 

O apelo funcionou: em apenas dois dias, Allie arrecadou mais de US$ 13 mil, cerca de R$ 41 mil. 

 

Em entrevista ao “New York Daily News”, o pai da jovem, Bill Dowdle, afirmou que só foi contra a relação porque Allie começou a se encontrar com Michal em segredo e que decidiu cortar as regálias da filha por que “ela é mimada” e “se tornou óbvio que ela precisava sair para o mundo e crescer”.

 

Apesar de negar ser racista, ele ainda disse que não era sua “preferência” que a filha namorasse um rapaz negro, por causa dos “problemas” com casais de tons de pele diferentes na região onde moram.

 

Ele ainda afirmou que a filha pode namorar quem ela quiser, pois já tem 18 anos, mas preferiu usar o caso como “justificativa e moral” para a campanha.

Polêmica

Embora esteja dando resultado, a campanha tem gerado também muita polêmica entre internautas, que apontam que a iniciativa em si é racista.

“Mandar uma menina branca de uma família de classe média para a faculdade não é lutar contra o racismo. Na verdade, tentar evitar o trabalho, empréstimos estudantis e ainda ser tratada como uma heroína por namorar um cara negro parece bastante racista para mim”, disse uma internauta.

“Essa campanha é totalmente ofensiva. Dizer não ao racismo não tem nada a ver com esta situação”, escreveu uma internauta. “Namorar um homem negro e mandar para faculdade uma garota branca e privilegiada, que não consegue um emprego porque seus pais tiraram seu carro, é absolutamente ridículo. Pegue um ônibus”, acrescentou.

“A maneira como seus pais estão lidando com isso é realmente errada, mas se você tem as boas notas que diz ter, você não deve ter problemas com bolsa de estudos. Eu não compro [essa campanha] nem por um segundo”, disse outro.

 

Fonte: http://www.redetv.uol.com.br/jornalismo/mundo/jovem-arrecada-r-41-mil-apos-pais-cortarem-faculdade-por-namoro-com-negro